BEFW: Primeira semana de moda e sustentabilidade em São Paulo

BLOG_1

Essa semana tem início, aqui em São Paulo, a primeira semana de moda voltada para sustentabilidade. É a Brasil Eco Fashion Week (BEFW) que veio para debater, informar e inspirar mais marcas e consumidores a fazer a diferença no mercado. Outro ponto interessante dessa semana é que, além de ter sido elaborada de forma colaborativa, ela é totalmente gratuita, tornando mais acessível esse assunto que é de interesse de todos. Por lá teremos desfiles, showroom, espaço de inovação, bate papos, oficinas e também o lançamento do filme River Blue, documentário que conta sobre a poluição do jeans em um dos rios mais importantes do planeta.Continue lendo

20 brechós para você garimpar online

BLOG_6

Impossível é falar de consumo consciente na moda sem falar do reuso de peças e, consequentemente, dos brechós. Os brechós conquistaram vários adeptos aos longos dos anos e, agora, estão cada vez mais aceitos e mais procurados pelo público.

Quando você compra uma roupa nova, mesmo que seja feita de materiais ecologicamente corretos e em uma cadeia de produção justa: essa peça (como todas as outras) um dia vai para o lixo. Claro que quando falamos de consumo de novos produtos vamos preferir e apoiar a compra de itens feitos assim – em um processo consciente – que em sua produção não causou mal ao ser humano e que,  quando descartados, farão menos danos a natureza.

Mesmo assim, nenhum produto é tão sustentável como aquele que já existe. Isso porque quando você opta por adquirir uma peça de reuso você evita que ela seja descartada no meio ambiente mais rapidamente – dando à ela uma vida útil maior. Continue lendo

Fashion Revolution Week

Quem fez minhas roupas? Essa é a pergunta que o Fashion Revolution Week quer te ajudar a responder ou ao menos
questionar. O evento, que tem início essa semana em mais de 80 países, já começou nesse sábado dia 16, em várias cidades do Brasil e veio para apresentar outras formas de consumo com uma maneira mais consciente e sustentável, além de buscar trazer transparência no processo de produção das roupas.

O movimento surgiu em 2013 após o desabamento do edifício Rana Plaza, em Bangladesh. O episódio aconteceu no dia 24 de abril desse mesmo ano e fez da data um momento para se pensar nos impactos que a indústria causa para o mundo em todas as suas etapas. Como a própria fundadora da campanha, Carry Somers, diz: “Eu vi que o desastre do Rana Plaza poderia atuar como um catalisador, espalhando a conscientização em prol da moda ética/sustentável e fornecendo uma janela para fazer a mudança real”.

No Brasil o Fashion Revolution acontece em grandes capitais como São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Curitiba, Teresina, Salvador, Cuiabá e outras cidades. Para saber a lista completa com datas e programação é só entrar aqui. Quem também for de São Paulo – como eu – fica esperto que hoje mesmo já acontecem palestras super legais sobre o assunto lá na Escola São Paulo.

Vivemos em um momento em que muito se fala sobre sustentabilidade e alternativas de consumo consciente, mas ainda temos presente no nosso dia a dia as fast fashions baratas e a cultura das roupas descartáveis. Para ajudar a resolver todas essas dúvidas que ainda estão em nossas mentes nesse momento de transição, nada como aprender e
estar aberto para ouvir e debater sobre a nossa relação com aquilo que vestimos. Nós provocamos o impacto de todas as maneiras, não só com as roupas. Ser consciente e informado é mais uma etapa de um processo que com passinhos de formiga pode nos trazer grandes soluções em um futuro próximo.

Faça parte também desse movimento, no dia 24 de abril vista sua roupa do avesso e questione você também: Quem fez minhas roupas?