No centro de Gonçalves

Passeando pelo centro de Gonçalves resolvi registrar locais que considero super fofos da cidade num ensaio pra compartilhar com vocês um pouco de todo o sentimento bom que sinto por lá.

Uma cidade cheia de cores, estampas, tijolinhos, paralelepídos, detalhes e caprichos por todo canto. Um charme feito de pura simplicidade e rodeado de natureza. Um lugar de pessoas tranquilas, que faz a cabeça desacelerar e recarrega todas as energias.

Espero que consigam sentir!

Em uma casa no campo

Quando estamos em Gonçalves acordamos cedo naturalmente. O que mais gosto de observar quando abro a janela pela manhã são as casas ao redor com suas chaminés saindo fumaça. Sinal que o fogão a lenha já esta funcionando e o café já deve estar quentinho na mesa.

Como temos pouca intimidade com o fogão a lenha ainda, usamos o a gás mesmo para preparar nosso café: pão sovado na chapa e leite quentinho. E lá não tem essa de tomar café dentro de casa não, pegamos nossos banquinhos e fomos para a varanda curtir o friozinho da manhã.

Entre uma refeição e outra, colocamos uma música, caminhamos pelo bairro, arrumamos a casa… Tudo no nosso ritmo e sem olhar muito para o relógio. E quando bate a fome lá estamos nós na cozinha de novo preparando mais alguma coisa gostosa para comer.

O almoço do dia foi bolinho de soja, arroz e abobrinha. E pra acompanhar, suco de limão feito na hora. Tudo simples e muito gostoso 🙂 E depois de comer sempre bate aquele sono, então corremos para o sofá curtir uma preguicinha sem culpa na frente da TV – que não pega muitos canais, mas só de fazer aquele barulhinho, já embala bem o sono.

Levantamos, arrumamos mais um pouco a casa, caminhamos com a cachorra e vimos lá de longe a chuva vindo. Voltamos pra casa e ficamos por lá ouvindo música e curtindo a chuva passar. E foi ai que veio mais uma idéia gordinha: fazer bolinho de chuva! Esquentamos o óleo, preparamos a massa e tcharam! Super fácil de fazer e uma delícia de comer.

E foi assim que passamos mais um dia na nossa casa amarela no campo. Curtindo tudo com calma, observando a natureza e quem vive nela, conversando e refletindo. Tudo na mais perfeita ordem, tudo na mais santa paz!

Rodinha no pé: Parque Nacional do Itatiaia

Na nossa ida a Itamonte fui desde o começo com um foco: conhecer o Parque Nacional do Itatiaia. Pesquisei bastante no Google e me encantei com a paisagem de lá. Queria conhecer as Agulhas Negras, o Maciço das Prateleiras as cachoeiras… Enfim, fiz mil planos, mapas e anotações.

Saímos do centro de Itamonte e pegamos estrada. Foram 32km de uma paisagem linda e de muita subida. Mas, quanto mais subíamos, mais fechadas as nuvens iam ficando e menos se via lá de cima. Podíamos perceber o quão alto estávamos com o movimento das nuvens e também pela mudança de clima. Quando chegamos aos 2.800 metros de altura, onde se encontrava a base do parque, já fazia frio e era impossível enxergar metros a frente por conta da nuvem carregada que pousou sobre aquele local.

Confesso que na hora bateu uma dorzinha no coração por estar ali e não poder fazer o passeio até o fim, mas depois me dei conta de que estava em um lugar incrível e que muito poderia ser explorado e aproveitado daquele local. Então descemos do carro e paramos em alguns pontos que tinhamos gostado do caminho e fotografamos para mostrar pra vocês 🙂

Nesse dia aproveitamos bastante e aprendi que as vezes o que planejamos muito pode mudar em um segundo e que baixar a expectativa e se deixar surpreender pode ser a melhor receita de uma viagem. Percebi também que não são só de dias ensolarados que a vida é feita, temos que saber curtir os dias cinzentos e cheios de nuvens e saber tirar aquilo de mais lindo que eles podem nos oferecer.

Rodinha no pé: Passa Quatro

Com a rodinha no pé visitei a cidade de Passa Quatro, no sul de Minas Gerais.

Já devem ter percebido que sou apaixonada por esse estado e sempre que posso dedico meus finais de semana para conhecer as cidades que lá se encontram. Gosto de lá pelo clima, pela natureza muito rica – cachoeiras, montanhas, vales e muita mata preservada –  pelas pessoas sempre simpáticas e atenciosas e pela tranquilidade que o lugar transmite.

Em Passa Quatro ficamos encantados com a estação ferroviária, de lá sai um dos passeios mais legais para se fazer na cidade. A bordo da Maria Fumaça 332 de 1929, o trem vai com destino à Estação Cel. Fulgêncio, no alto da Serra da Mantiqueira, no túnel que faz divisa entre os estados de São Paulo e Minas Gerais – local marcado por ser palco de batalhas durante a Revolução de 32.

O trajeto traz, além de uma paisagem linda, memórias e fatos marcantes da história do nosso país: a linha férrea foi inaugurada em 1884, contando com a presença de D. Pedro II, e se tornou um percurso importante por fazer ligação entre os estados de Minas Gerais e Rio de Janeiro, trazendo para Passa Quatro um forte desenvolvimento econômico junto ao seu crescimento populacional.

Para você que também ama saber um pouco mais sobre a história do Brasil, a cidade é um prato cheio para isso. E por falar em prato, os restaurantes de lá são deliciosos, servem uma comidinha bem tradicional mineira, conseguindo trazer através do paladar, todo o aconchego que a cidade tem.

Para quem ficou com vontade de saber mais sobre a cidade ou se tiverem mais dicas de outras cidades pela região, me mande um email (vidadeamora.flavia@gmail.com) ou me procura no Instagram (instagram.com/flaviaribeiro), vou adorar te ajudar ou então receber mais informações de vocês 🙂

Rodinha no pé: Ouro Preto

Ouro Preto encanta pelos detalhes. Todo canto que você olha tem uma graça, uma cor e uma história. Andar por lá te faz voltar no tempo e conhecer um pouquinho mais da história do nosso país.

O ponto central da cidade é a Praça Tiradentes. Lá estão os principais atrativos turísticos de Ouro Preto. Começando pelo monumento que fica logo no centro da praça, feito em homenagem à Tiradentes, é ele que da o nome ao local. Ali também fica o Museu da Inconfidência, dedicado a Inconfidência Mineira e a história do estado de Minas Gerais. Se você é daqueles que faz uma listinha de locais que tem que visitar nas cidades que passa, já pode anotar essa dica.

Quando se trata de Minas, não posso deixar de falar de comida! O famoso pãozim de queijo não pode faltar no seu café da manhã. E para almoço ou jantar super recomendo o Barroco e Barraco. Além de ser um lugar aconchegante, lá tem comidinhas deliciosas e um cardápio de cervejas artesanais gigante. E tudo isso ao som de jazz ao vivo!