Pausa para o Café com: A Fine Mess

blog_ (11)

Utilizando a moda como forma de comunicação, a A Fine Mess trouxe para o Pausa para o Café uma inspiração a mais para quem deseja abrir sua própria marca ou para quem gosta, assim como eu, de conhecer melhor os processos criativos de um produtor independente e se sentir mais próximo de quem faz. Com uma mensagem de empoderamento e força do ser feminino, a marca vem ganhando seu espaço e buscando se comunicar sempre de forma transparente e cheia de leveza, valorizando o corpo de cada mulher e trazendo o conforto ideal para o nosso dia a dia.Continue lendo

Pausa para o café com: Eulíricas

Essa semana parei para tomar um café com uma pessoa que é pura poesia. Apaixonada pelo que faz, Camila Lordelo – criadora da marca Eulíricas – aplica seus versos em objetos de uma forma única e super delicada, nos fazendo perceber a beleza de todas as coisas e mostrando que cada momento vivido é uma fonte de inspiração.

Camila nasceu em Salvador, Bahia. Veio para São Paulo a trabalho há 5 anos e foi aqui que começou a dar forma ao Eulíricas, que já era um desejo antigo, mas ainda sem corpo. Com seu jeito doce ela se descreve da seguinte maneira: sou feita de mar e amar.

Como as palavras são o seu forte, deixo que ela conte melhor como tudo isso aconteceu:

Qual a sua maior fonte de inspiração?
Minha maior fonte de inspiração é a vida. Parece clichê, mas de verdade: é olhar as ruas, as coisas, as pessoas, estar atenta aos sentimentos de todos, aos sentimentos que nascem em mim. Caminho me deixando comover por tudo, por todas as cenas que cruzo. Onde quer que eu vá, o que quer que eu faça, tenho meus olhos sempre despertos para enxergarem junto com o coração. É das sensações que estas observações me causam que tiro matéria prima para a escrita.

Como você seleciona os objetos que vai trabalhar?
Geralmente escrevo o poema e penso no que poderia traduzir ele! Encontro o objeto e aplico os versos. Mas também saio por aí visitando lugares, lojas, fornecedores, à procura de superfície para a poesia… Tento que sejam sempre coisas delicadas e que, de alguma forma, estejam dentro da rotina das pessoas – minha vontade é que a poesia esteja ao alcance nos nossos dias, facilmente.

Qual foi o seu maior objetivo ao criar a marca?
Inspirar e espalhar coisas bonitas por aí. Dar vazão, também, a tudo o que trago aqui dentro – minha sina é a rima. 🙂

Qual a sua sensação ao produzir dessas peças e ver que sua mensagem está lá estampada e pronta para ser usada e vestida por aí?

Engraçado… Trabalhei por muitos anos com propaganda, criei para grandes marcas do país. Mas foi com o Eulíricas que, pela primeira vez, experimentei uma sensação de completude ao ver um trabalho meu pronto. Foi como se tivesse encontrado meu propósito de ser! Sou eu, ali, nos objetos. Coisas que vivi, que senti, tudo saído daqui de dentro genuinamente. Coisas que sei que muitas outras pessoas sentem tb! Essa, aliás, é a mágica deste trabalho: as palavras costuram o meu coração com o de outras pessoas. Tem coisa mais bonita?

Se o Euliricas fosse uma pessoa, como ela seria?
O Eulíricas na verdade já é uma pessoa! rs. Sou eu, em estado de palavra. Tento devolver ao mundo o tanto de amor e carinho que recebi toda minha vida, todas as sortes e bênção que Deus me deu. Me esforço para que este trabalho seja sempre sensível, afetuoso e repleto de gratidão. É como eu busco ser, diariamente.

Uma delicia poder saber como todo esse processo acontece. Desde que conheci o Eulíricas fiquei encantada com a forma sensível e leve que as ideias são passadas. Sinto como se olhar para esses objetos fosse um respiro durante o dia para nos lembrar que está tudo bem. Quase que um conforto, um agrado a nós mesmos.

E se você também sentiu esse aconchego, siga a marca nas redes sociais:
Facebook: facebook.com/euliricas/
Instagram: instagram.com/euliricas/

Pausa para o café com: Nu

Dessa vez a pausa para o café veio com um gostinho adocicado e com aquele cheirinho de casa de vó. Essa semana parei para conversar com a Marcella e a Thidú, duas amigas que fizeram das suas cozinhas um lugar de pura inspiração, prazer e muito trabalho!

Ficou com água na boca depois de ver todas essas fotos? Então acompanhe nosso bate-papo e saiba como elas fazem todas essas delicias:

– Como começou o Nu?

O NU começou na páscoa de 2015, com duas amigas empolgadas, cheias de ideias recém formadas e não tão felizes! Não queríamos viver aquela vida de escritório! Decidimos fazer uma produção de páscoa para experimentar algo novo! E foi sucesso! Continuou como uma parceria incrível, de duas pessoas que se apaixonaram pela cozinha, tivemos um retorno super positivo depois da Páscoa, e unimos o útil ao agradável! Tínhamos a companhia uma da outra, estávamos em nossas próprias cozinhas e fazendo pessoas muito felizes!

– O que motivou vocês a criarem o próprio negócio?

Nós duas nos formamos em arquitetura no final de 2014, bem quando a crise no nosso país bombou. As duas desempregadas, sem muita motivação na nossa profissão. Para o NU nascer, bastou uma data especial, uma tarde na cozinha, um olhar de uma pra outra e dizendo: precisamos de um nome! NU foi perfeito, nosso ponto de partida eram os bolos pelados! Não tinha nome melhor!

– Qual a principal mensagem que desejam passar com a marca de vocês?

Acho que a principal mensagem do NU é de que a vida pode ser mais leve, despojada e doce. Simples e gostosa!

– Qual a relação de vocês com a comida e em especial com a alimentação de forma saudável?

Creio que nós duas somos duas amantes da cozinha desde pequenas, mesmo sem saber. E logo de cara nos demos bem nessa aventura! As nossas avós faziam bolo (acho que tá no sangue, rsrs)! A Marcella sempre fez bolo com a avó dela! E as duas gostam muito de comer rsrs, nunca sobra nada! A alimentação saudável veio com um estilo de vida que levamos, nós duas somos praticantes de esportes e gostamos de nos alimentar de forma saudável, porém gostosa. Assim estamos buscando cada vez mais sabor e saúde em alguns dos nossos produtos.

– Se o Nu fosse uma pessoa, como a descreveria?

Ah, se o NU fosse uma pessoa com certeza seria uma pessoa de bem com a vida, leve, colorida, autêntica, uma pessoa sem crise sabe? rsrs

– O que te faz acordar todos os dias satisfeita com o que faz?

Com certeza a melhor parte de cozinhar, entregar um bolo, é ver a reação das pessoas ao ver e comer nossos doces. É muito prazeroso fazer aquele momento feliz para alguém e escutar um obrigado sincero! Os bolos pelados, que são nosso “forte”, remetem à aquele bolo que a nossa avó fazia! Algo simples, aconchegante e familiar! Acho que as pessoas se identificam com isso e com o fato de poder montar o bolo, escolhendo cada camada de recheio, massa e decoração! As pessoas sentem realmente que aquele bolo é delas!

Fazer o que ama é a melhor receita para o sucesso, e é por isso que o Nu tem atraído um número cada vez maior de pessoas em busca de um docinho caseiro, saboroso e feito com muito carinho.

E se você ficou com vontade de ver essas delícias ao vivo e a cores – e sabores também – aqui vão os contatos delas:

Site: enjoynu.com
Instagram: @follow_nu
Facebook: facebook.com/curtanu

Pausa para o café com: Gioconda Clothing

11

10

12

2

1

 

Quem disse que nos nossos momentos em casa devemos estar vestidas com as nossas piores roupas? Esse tempinho tão raro e especial que vivemos em nossos dias deve sim ser regado de charme, conforto e delicadeza. E foi pensando nisso que a Cínthia criou a Gioconda Clothing.

Nos preocupamos tanto com a roupa que vamos vestir para sair de casa que nos esquecemos que aquele momento em que ninguém está nos vendo é tão importante quanto, pois é nele que reservamos o nosso tempo para cuidarmos de nós mesmas; da nossa saúde e do nosso bem estar.

Quer se inspirar mais e curtir a preguiça sem culpa? A Cínthia te explica como:

Cínthia, 31 anos, formação em Artes Plásticas, mas estudei 2 anos de Design de Moda na Santa Marcelina e me especializei em Design Editorial pelo IED.

– O que a motivou a criar a sua própria marca? 
Eu queria trabalhar de forma independente, pois nunca me encontrei no mercado de trabalho e sempre senti meu conhecimento sub-aproveitado. Eu queria explorar meu lado criativo em todas as áreas que eu passei, a arte, a moda e o editorial.

– Como a Gioconda Clothing começou e tomou a forma que ela tem hoje?
Ela surgiu de uma necessidade banal e uma lembrança afetiva de família. Como eu tinha dificuldade para encontrar calcinhas (e roupas no geral) de algodão, eu me lembrei das calcinhas que minha mãe fazia antigamente, com restos de tecidos que ela costurava lençóis.
Então optei por trabalhar somente com tecido de fibras naturais.
Nessa época dediquei toda a minha energia na criação da marca e ela carrega muito do que eu almejava na minha vida.
Depositei toda a minha ânsia por uma vida fora dos padrões convencionais de trabalho e consequentemente de estilo de vida. Pensei que não faria sentido criar uma marca de roupas femininas somente, então fiz um recorte dentro desse universo e foquei em roupas para usar em casa, pra quem curte passar o tempo em casa, curtindo o ócio, o silêncio e o tempo consigo mesmo, algo tão raro hoje em dia.

– Qual a principal mensagem que pensaram em passar quando criaram a marca?
Na teoria, a mensagem principal que permeia a personalidade da Gioconda, é o conforto, que envolve estar bem vestida e a vontade consigo mesmo. Na prática o que a Gioconda dissipa é o direito da preguiça, a necessidade de se dedicar um tempo a si mesmo e ao nada, à anti-produtividade, ao ócio. É muito comum as pessoas sentirem remorso por não estarem fazendo nada, sem se darem conta, mas é extremamente necessário e saudável. Todo corpo precisa dessa pausa, e a Gioconda quer propagar isso.

– Se a Gioconda Clothing fosse uma pessoa, como a descreveria?
Ela seria uma mistura de Frida Khalo com Edie Sedgwick. Teria toda a observação e contemplação que Frida possuía pela vida e pela natureza, mas também pelos prazeres bohemios assim como Edie, e um certo deboche pelo tempo gasto pela maioria das pessoas com coisas ao seu ver, inúteis ou supérfluas. Ela veria calmaria em uma tempestade.

– O que te faz acordar todos os dias satisfeita com o que faz?
A busca pela satisfação é uma luta constante, porém o que me deixa muito contente é ver quando as pessoas compreendem o universo da Gioconda e sentem a brisa boa que ela transmite.

 

Também ficou com vontade de ficar em casa por uma tarde e aproveitar o tempo com você mesma? E se quiser curtir esses momentos a la Gioconda, acompanhe a marca nas redes sociais:

Facebook: facebook.com/giocondaclothing
Instagram: instagram.com/giocondaclothing
Site: giocondaclothing.com.br

 

Fotos: Luiza Potiens

Pausa para o café com: Insecta Shoes

É uma delícia poder conversar com pessoas que te inspiram tanto. E foi com essa sensação boa que bati um papo com a Bárbara e a Pamella, criadoras da marca de sapato Insecta Shoes.

Ao bater os olhos nas peças a gente logo se apaixona, a Insecta tem estampas lindas e modelos super moderninhos. Mas a marca vai muito além disso, e é ai que ela ganha ainda mais os nossos corações: as peças são 100% veganas (sem produtos de origem animal) e feitas a partir da reutilização de roupas usadas.

Ficou com vontade de saber mais sobre como toda essa ideia surgiu? Elas contam aqui pra gente:

Nome das criadoras da marca e formação:

Bárbara Mattivy, formada em marketing e Pamella Magpali, designer de moda.

Como surgiu a ideia de fazer sapatos veganos e reutilizando roupas usadas?

Bárbara tinha um brechó online dedicado a garimpos vindos de vários lugares. Já Pamella era dona da marca de calçados MAG-P Shoes, que eram produzidos artesanalmente com excessos de couro da indústria calçadista. Da união não só das empresas mas também da ideologia que tinham em comum – o conceito de upcycling – foram criados os 20 primeiros pares de sapato com estampas lindas vindas das roupas que tinham menos saída no brechó.

Vocês podem explicar um pouquinho mais sobre o universo de moda vegana no mundo e no Brasil especificamente?

É um universo ainda bem nichado, principalmente no Brasil, mas em constante expansão. Lá fora as opções são maiores, mas a cada dia se encontra mais restaurantes veganos e opções de moda vegana no nosso país. Nas redes sociais têm se visto bastante discussão a cerca do assunto, sempre bem elucidativas e conscientizadora.

Porque vocês acham que é importante pensar nesse conceito de reutilização?

Acreditamos que a forma mais ecológica de fazer moda é reaproveitando do que já existe no mundo, aumentando a vida útil do que já está por aqui, ao invés de produzir algo novo. Reciclar, claro, é fundamental, porém mesmo reciclando ainda se produz um impacto menor no meio ambiente. Nós acreditamos que o upcycling é a maneira mais verde de praticar moda sustentável 🙂

O “feito a mão” tem tido um retorno muito forte e vocês trazem muito isso para a Insecta. Qual a importância desse processo para a marca?

O sapato em si já é um produto mais artesanal, grande parte dele é feito a mão. Porém o nosso é ainda mais, pois são muito exclusivos. Por exemplo, com uma peça de roupa de produz 4-5 pares, que depois nunca mais vão existir igual. Isso dá um caráter ainda mais artesanal à peça. Além do que, existe um cuidado maior no acabamento e produção do produto quando ele é feito a mão.

 

O conceito de reutilização e reciclagem é de extrema importância e é muito bom ter essa alternativa para o consumo de roupas também. Ao comprarmos um produto vegano compramos também essa ideia e apoiamos quem vem fazendo sua parte para um mundo melhor.

Como você viu os sapatos são super exclusivos e acabam rapidinho, então siga a Insecta nas redes sociais para não perder a oportunidade de comprar aquela estampa que você amou!

Facebook: facebook.com/insectainsecta

Instagram: @insectashoes

Site: insectashoes.com