No centro de Gonçalves

Passeando pelo centro de Gonçalves resolvi registrar locais que considero super fofos da cidade num ensaio pra compartilhar com vocês um pouco de todo o sentimento bom que sinto por lá.

Uma cidade cheia de cores, estampas, tijolinhos, paralelepídos, detalhes e caprichos por todo canto. Um charme feito de pura simplicidade e rodeado de natureza. Um lugar de pessoas tranquilas, que faz a cabeça desacelerar e recarrega todas as energias.

Espero que consigam sentir!

Somos apenas um pontinho

Passei três dias desconectada de tudo. Me afastei do celular e me liguei apenas ao aqui e agora. Tirei alguns dias para viver o simples e agradecer a vida.

Quem já me conhece sabe que de vez em quando eu fujo para o meio do mato ou corro para a primeira praia que vejo. Gosto de São Paulo, mas as vezes meu corpo pede uma paz que aqui, com a correria do trabalho e o ritmo do dia a dia, fica difícil encontrar. E foi buscando mais uma vez essa fuga que fomos para Gonçalves, sul de Minas Gerais.

Nessa viagem visitamos o mais novo lugar que estamos apaixonados, esse das fotos acima. Uma pedra lá no alto com uma vista de perder o fôlego e fazer a gente refletir sobre a imensidão do mundo e a pequenez da gente.

Essa ida à Gonçalves foi assim, renovando as energias, agradecendo as coisas boas e curtindo muito aquilo que gosto: a natureza, as comidinhas, o amor e o cheiro de mato. Durante a semana vou contar em posts, ensaios e histórias um pouquinho sobre esses dias tão gostosos.

Rodinha no pé: Parque Nacional do Itatiaia

Na nossa ida a Itamonte fui desde o começo com um foco: conhecer o Parque Nacional do Itatiaia. Pesquisei bastante no Google e me encantei com a paisagem de lá. Queria conhecer as Agulhas Negras, o Maciço das Prateleiras as cachoeiras… Enfim, fiz mil planos, mapas e anotações.

Saímos do centro de Itamonte e pegamos estrada. Foram 32km de uma paisagem linda e de muita subida. Mas, quanto mais subíamos, mais fechadas as nuvens iam ficando e menos se via lá de cima. Podíamos perceber o quão alto estávamos com o movimento das nuvens e também pela mudança de clima. Quando chegamos aos 2.800 metros de altura, onde se encontrava a base do parque, já fazia frio e era impossível enxergar metros a frente por conta da nuvem carregada que pousou sobre aquele local.

Confesso que na hora bateu uma dorzinha no coração por estar ali e não poder fazer o passeio até o fim, mas depois me dei conta de que estava em um lugar incrível e que muito poderia ser explorado e aproveitado daquele local. Então descemos do carro e paramos em alguns pontos que tinhamos gostado do caminho e fotografamos para mostrar pra vocês 🙂

Nesse dia aproveitamos bastante e aprendi que as vezes o que planejamos muito pode mudar em um segundo e que baixar a expectativa e se deixar surpreender pode ser a melhor receita de uma viagem. Percebi também que não são só de dias ensolarados que a vida é feita, temos que saber curtir os dias cinzentos e cheios de nuvens e saber tirar aquilo de mais lindo que eles podem nos oferecer.

No pé da mantiqueira

Em meio à flores e muita mata e ao som de cigarras e sabiás, fizemos mais um ensaio todo verde para vocês!

O local escolhido foi a pousada que ficamos na cidade de Itamonte, Sul de Minas. No pé da Serra da Mantiqueira, ela é ideal para quem busca paz e um pouquinho de isolamento do mundo real – e virtual. Lá não pega celular, TV só apenas alguns canais. Mas o bom mesmo é curtir o barulho da natureza e do rio que corta a pousada – nada melhor pra relaxar do que o barulho de água!

Para quem ficou com vontade de escolher um chalézinho para chamar de seu durante o final de semana, aqui o site deles: encantodasaguas.com.br

 

macaquinho: Zara / t-shirt: Zara / oxford: FARM / meia: HM / anéis: Jóias Tatiana de Francisco / relógio: Casio

Rodinha no pé: Passa Quatro

Com a rodinha no pé visitei a cidade de Passa Quatro, no sul de Minas Gerais.

Já devem ter percebido que sou apaixonada por esse estado e sempre que posso dedico meus finais de semana para conhecer as cidades que lá se encontram. Gosto de lá pelo clima, pela natureza muito rica – cachoeiras, montanhas, vales e muita mata preservada –  pelas pessoas sempre simpáticas e atenciosas e pela tranquilidade que o lugar transmite.

Em Passa Quatro ficamos encantados com a estação ferroviária, de lá sai um dos passeios mais legais para se fazer na cidade. A bordo da Maria Fumaça 332 de 1929, o trem vai com destino à Estação Cel. Fulgêncio, no alto da Serra da Mantiqueira, no túnel que faz divisa entre os estados de São Paulo e Minas Gerais – local marcado por ser palco de batalhas durante a Revolução de 32.

O trajeto traz, além de uma paisagem linda, memórias e fatos marcantes da história do nosso país: a linha férrea foi inaugurada em 1884, contando com a presença de D. Pedro II, e se tornou um percurso importante por fazer ligação entre os estados de Minas Gerais e Rio de Janeiro, trazendo para Passa Quatro um forte desenvolvimento econômico junto ao seu crescimento populacional.

Para você que também ama saber um pouco mais sobre a história do Brasil, a cidade é um prato cheio para isso. E por falar em prato, os restaurantes de lá são deliciosos, servem uma comidinha bem tradicional mineira, conseguindo trazer através do paladar, todo o aconchego que a cidade tem.

Para quem ficou com vontade de saber mais sobre a cidade ou se tiverem mais dicas de outras cidades pela região, me mande um email (vidadeamora.flavia@gmail.com) ou me procura no Instagram (instagram.com/flaviaribeiro), vou adorar te ajudar ou então receber mais informações de vocês 🙂