Pausa para o café com: Veredas Atelier

BLOG_ (3)

O bate papo dessa semana foi com uma marca que é pura poesia, a Veredas Atelier. Rica em detalhes, ela mistura arte, conceito, cultura e traduz tudo isso em roupas e acessórios que nos faz suspirar do começo ao fim.

Desde pequena Clarisse Romeiro, criativa e criadora, tem contato com as artes de seu pai e com um armário recheado de cores da sua avó. Inspirada na riqueza da cultura brasileira, a Veredas, que representa um caminho alternativo no cerrado, nasceu e fez exatamente esse papel na vida dela – e posso dizer que só de olhar todo o trabalho realizado pela marca percebemos que esse caminho rendeu bons frutos e que existe um lindo percurso a ser trilhado pela frente.

BLOG_ (5)

BLOG_ (2)

BLOG_ (4)

Se assim como eu, você também ficou com vontade de conhecer um pouco mais sobre a marca, acompanhe só esse papo bom que tivemos aqui:

Vida de Amora: Conte um pouco sobre você, sua formação e como começou a Veredas:

Veredas: Quando pequena, ficava encantada com a quantidade de cores e texturas que saltavam do armário da minha avó, e uma das brincadeiras preferidas daqueles domingos era experimentar vestido por vestido, cor por cor, flor por flor. Na praia, o tempo corria junto à procura das mais bonitas conchas e pedrinhas trazidas pelo mar. Colecionava selos, guardanapos, fotos 3×4. De tempos em tempos pedia para minha mãe tirar do maleiro aquela mala de couro repleta de tecidos desenhados e bordados no outro lado do oceano. De quando em quando pedia para o meu pai desencaixotar as fotos tiradas nos mesmos lugares daqueles tecidos estampados. Um dia, na mostra sobres os 500 anos do Brasil, desejei ser Maria Bonita para me envolver em toda aquela beleza trabalhada no couro e tecidos bordados.

As pistas estavam dadas, mas foi só em 2010, em meu trabalho de conclusão de curso de Desenho Industrial na Universidade Presbiteriana Mackenzie, que a estamparia revelou-se como uma possibilidade de comunicação e eu desenvolvi uma coleção de estampas inspirada na viagem que fiz pelo sertão da Paraíba, chamada  s e r o u n ã o s e r t ã o .

Trabalhei um tempo numa empresa desenvolvendo estampas, mas para mim não fazia sentido criar apenas com um propósito comercial, sem nenhuma preocupação de conteúdo ou pesquisa envolvidos.

Vereda é um caminho alternativo; no cerrado, a vereda é um fluxo de água ladeado por buritis.

Ateliê é um espaço de trabalho onde se pode experimentar e produzir diferentes tipos de arte, o termo vem do francês: atelier.

Veredas Atelier nasceu da vontade de dar continuidade ao meu trabalho autoral, e é através das possibilidades que a estamparia oferece que eu me comunico com aqueles que as utilizam.

Os padrões invadiram todos os suportes de que o homem dispunha para recordar quem éramos, nossa origem, mítica ou grupal, e nossa função no mundo’. Líbero Malavoglia.

BLOG_ (11)

BLOG_ (15)

V.A.:  Cada coleção tem um tema diferente. Como acontece esse processo de criação e inspirações?

V.: Os temas estão relacionados àquilo que estou vivendo no momento da escolha: a leitura de um livro, um plano de viagem, o encantamento espontâneo sobre algo ou a simples vontade de me aprofundar em determinado assunto. Nunca segui tendências e não me obrigo a cumprir uma lógica de mercado, apesar de eu saber o quanto isso me ajudaria no âmbito comercial.

Escolhido o tema, me aprofundo através de leituras, vivências e tudo que estiver ao meu alcance. Gosto das pesquisas de campo e as faço sempre que possível.

BLOG_ (14)

BLOG_ (13)

BLOG_ (12)

V.A.: A marca é super ligada à cultura brasileira. Qual sua relação com nossa cultura e como você enxerga a necessidade de valorizarmos o que produzimos aqui?

V: Sou brasileira e respeito nossa cultura que tanto me inspira, e que infelizmente é tão pouco apreciada.

A necessidade de valorizarmos o que produzimos aqui é absoluta, e acredito que a cultura brasileira deveria ser conteúdo fundamental desde a educação infantil.

BLOG_ (8)

BLOG_ (7)

BLOG_ (6)

V.A.: Conte sobre a sua relação com o trabalho manual.  Ela veio antes de criar a marca ou já é uma atividade antiga?

V.: Cresci em meio à natureza e meu pai é artista plástico, o que já diz bastante sobre minha familiaridade com o trabalho manual.

No que diz respeito à estamparia, eu quase desisti de trabalhar na área quando me vi obrigada a esquecer dos processos manuais por falta de tempo de produção e por uma exigência de mercado, até eu fazer um curso de estamparia com o professor Celso Lima e entender que eu não estava no caminho errado: os processos são valiosos, e o fazer manual é a maior riqueza do trabalho.

V.A.: Se a Veredas fosse uma pessoa, como ela seria?

V.: Coração pulsante.

BLOG_ (10)

BLOG_ (9)

As cores vivas das estampas, a personalidade e a força da marca nos faz querer ver mais e mais desse trabalho tão lindo e inspirador que eles passam também de forma super criativa através dos seus editoriais. A Veredas Atelier desempenha um papel super importante de resgate da nossa cultura, dos nossos valores e tradições.

Fiquei super feliz por receber um pedacinho dessa história em forma de bolsa aqui em casa. E pra emocionar ainda mais veio um lenço com uma das minhas estampas favoritas! Muito bom ver de perto o produto de uma marca que você acompanha há tempos e admira tanto.

VEREDAS

E para continuar acompanhando a Veredas por ai, sigam os perfis dela nas redes sociais:

Instagram: instagram.com/veredasatelier

Facebook: facebook.com/veredasatelier

Site: veredasatelier.com

2 comentários em “Pausa para o café com: Veredas Atelier

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *